vanguardas

Representando um lugar na história: São Paulo anos 1920

Resumo

A década de 1920 foi especialmente importante na cidade de São Paulo por presenciar uma série de transformações urbanas que levariam à conformação de uma identidade social cujos vestígios são ainda percebidos nos dias de hoje. O presente trabalho pretende explorar as maneiras como esse modelo de cidade aparece representado na produção da vanguarda literária publicada no periódico modernista Klaxon em 1922, partindo para isso de uma dupla condição da cidade e sua representação neste período: primeiro, a sua inserção entre uma história forjada pelos cânones de uma modernidade que se pretende universal, relegando a São Paulo um lugar em sua periferia, e uma história universal formada por pequenas singularidades que renuncia a História oficial, evidenciando a riqueza na multiplicação de culturas que se interagem simultaneamente. Depois, sua representação também inserida na concepção de uma vanguarda que ora se demonstra uma derivação das vanguardas europeias, ora se apresenta como um movimento autêntico e original, sem com isso ignorar os jogos de força produzidos pela sociedade burguesa moderna herdeira do colonialismo.

 

Abstract

The 1920s were especially important in the city of São Paulo for witnessing a series of urban transformations that lead to the formation of a social identity whose traces are still perceived today. This study aims to explore the ways in which this model of city is represented in the production of literary avant-garde published in the modernist journal Klaxon in 1922, considering the double condition of the city and its representation in this period. First, its insertion between a history forged by the canons of a Modernity intended to be universal, relegating Sao Paulo to a place in the edge, and a universal history formed by small singularities that quits the Official History, highlighting the richness in the multiplication of cultures that interact simultaneously. Then, its representation also inserted in the conception of an avant-garde that sometimes appears to be a derivation of the European avant-gardes, at other times presents itself as an authentic and original movement, without thereby ignoring the tensions produced by modern capitalist society heiress of colonialism.