urban remodeling

Representações da república no aformoseamento da Praça João Clímaco, Vitória — ES

 

Resumo

Este artigo trata da remodelação de determinado espaço público de Vitória, Espírito Santo, a Praça João Clímaco, nos primeiros anos do século XX, evocando representações republicanas, com o firme propósito de eliminar traços coloniais e atribuir feições modernas ao ambiente urbano da capital capixaba. O artigo pauta-se em pesquisa baseada no exame de dados documentais relacionados a relatórios de governos, periódicos locais, cartografia e iconografia envolvendo período entre a segunda metade do século XIX e as duas primeiras décadas do século XX. O recorte temporal refere-se à época de promissor desenvolvimento econômico no Espírito Santo, propiciando melhoramentos urbanísticos em Vitória. Este recorte teve também como hipótese o interesse do poder público pela construção de infraestrutura de embelezamento na cidade, tendo em vista a visita de D. Pedro II, em 1860, marcando o início do período estudado, e a inauguração do Parque Moscoso em 1912, marcando o fim do período, com a materialização da representação de modernidade almejada. O destaque atribuído à Praça João Clímaco, tornando-se objeto de interesse deste artigo, advém de vários aspectos. Um deles diz respeito a sua longevidade, considerando ter sido, sempre, espaço livre contíguo às principais edificações institucionais religiosas, denotando também, sua localização privilegiada. Outro aspecto ainda, se refere ao empreendimento público de transformação da área realizado de modo a torná-lo representação dos tempos republicanos e a se caracterizar como ponto de partida para a modernização dos espaços adjacentes. Os documentos examinados, além de permitir o registro cronológico desta transformação, demonstram que a Praça João Clímaco se constituiu em elemento estratégico da modernização capixaba no ensejo da República, estimulando a instauração de uma urbanidade social e a irradiação de uma fisionomia moderna em seu entorno. Constatou-se também, no período estudado, o despertar pelo usufruto do espaço público em Vitória, associado à contemplação da paisagem.

 

Abstract

This article deals with the remodeling of a public space in Vitória, Espírito Santo, João Clímaco Square in the early XX Century, evoking republican representations, with the intention of eliminating colonial traits and to assigning modern features to the urban environment of the State capital. The article researched on documental data from government reports, local periodicals, cartography, iconography involving the period between the second half of the XIX century and the first decades of the XX century. The time frame refers to the time of a promising economical development in Espírito Santo, favoring urban improvement in Vitória. This time frame also had as a hypothesis the government interest in building the beautification infrastructure in the city, in view of the Emperor ‘s visit in 1860, establishing the beginning of the studied period, and marking the end of the period, the opening of Moscoso Park in 1912 as the materialization of the desired modernization. The emphasis given to João Clímaco Square, becoming the object of interest of this article comes from several aspects. One

of them relates to its longevity, as it has always been an open space adjacent to major religious institutional buildings, denoting its prime location. Another aspect refers to the government area transformation venture, carried out in order to make it representative of republican times, to characterize as starting point for the modernization of the adjacent spaces. The documents examined, besides enabling the chronological register, show that João Clímaco Square has been a strategic element of Capixaba’s modernization during the Republic, stimulating the establishment of a social urbanity and the spread of a modern face in its surroundings. During the studied period it was also observed the awakening for the use of public space in Vitória, associated to the contemplation of the landscape.

 

Representações da república no aformoseamento da Praça João Clímaco, Vitória – ES

 

Resumo

Este artigo trata da remodelação de determinado espaço público de Vitória, Espírito Santo, a Praça João Clímaco, nos primeiros anos do século XX, evocando representações republicanas, com o firme propósito de eliminar traços coloniais e atribuir feições modernas ao ambiente urbano da capital capixaba. O artigo pauta-se em pesquisa baseada no exame de dados documentais relacionados a relatórios de governos, periódicos locais, cartografia e iconografia envolvendo período entre a segunda metade do século XIX e as duas primeiras décadas do século XX. O recorte temporal refere-se à época de promissor desenvolvimento econômico no Espírito Santo, propiciando melhoramentos urbanísticos em Vitória. Este recorte teve também como hipótese o interesse do poder público pela construção de infraestrutura de embelezamento na cidade, tendo em vista a visita de D. Pedro II, em 1860, marcando o início do período estudado, e a inauguração do Parque Moscoso em 1912, marcando o fim do período, com a materialização da representação de modernidade almejada. O destaque atribuído à Praça João Clímaco, tornando-se objeto de interesse deste artigo, advém de vários aspectos. Um deles diz respeito a sua longevidade, considerando ter sido, sempre, espaço livre contíguo às principais edificações institucionais religiosas, denotando também, sua localização privilegiada. Outro aspecto ainda, se refere ao empreendimento público de transformação da área realizado de modo a torná-lo representação dos tempos republicanos e a se caracterizar como ponto de partida para a modernização dos espaços adjacentes. Os documentos examinados, além de permitir o registro cronológico desta transformação, demonstram que a Praça João Clímaco se constituiu em elemento estratégico da modernização capixaba no ensejo da República, estimulando a instauração de uma urbanidade social e a irradiação de uma fisionomia moderna em seu entorno. Constatou-se também, no período estudado, o despertar pelo usufruto do espaço público em Vitória, associado à contemplação da paisagem.

 

Abstract

This article deals with the remodeling of a public space in Vitória, Espírito Santo, João Clímaco Square in the early XX Century, evoking republican representations, with the intention of eliminating colonial traits and to assigning modern features to the urban environment of the State capital. The article researched on documental data from government reports, local periodicals, cartography, iconography involving the period between the second half of the XIX century and the first decades of the XX century. The time frame refers to the time of a promising economical development in Espírito Santo, favoring urban improvement in Vitória. This time frame also had as a hypothesis the government interest in building the beautification infrastructure in the city, in view of the Emperor ‘s visit in 1860, establishing the beginning of the studied period, and marking the end of the period, the opening of Moscoso Park in 1912 as the materialization of the desired modernization. The emphasis given to João Clímaco Square, becoming the object of interest of this article comes from several aspects. One

of them relates to its longevity, as it has always been an open space adjacent to major religious institutional buildings, denoting its prime location. Another aspect refers to the government area transformation venture, carried out in order to make it representative of republican times, to characterize as starting point for the modernization of the adjacent spaces. The documents examined, besides enabling the chronological register, show that João Clímaco Square has been a strategic element of Capixaba’s modernization during the Republic, stimulating the establishment of a social urbanity and the spread of a modern face in its surroundings. During the studied period it was also observed the awakening for the use of public space in Vitória, associated to the contemplation of the landscape.