downtown

Encontros e desencontros na metrópole: sociabilidade nos novos espaços do Centro Novo de São Paulo

 

Resumo

Entre as décadas de 1940 e 1960, um fluxo alto e constante de pessoas deslocava-se na região do Centro Novo de São Paulo, gerando encontros inesperados e inusitados entre os mais diversos grupos. Nas novas vias (abertas ou alargadas) na gestão do então prefeito Prestes Maia, ou nos térreos dos novos arranha-céus que configuravam a paisagem urbana, os novos hábitos da vida moderna eram expostos. Aqueles espaços eram os legítimos lugares de debate e trocas, espaço para o público que exercia as mais diversas atividades na região: trabalho, habitação, lazer e circulação. Nos bares, cafés, restaurantes, confeitarias, livrarias, bibliotecas, primeiros museus ou galerias comerciais era possível encontrar conhecidos e estranhos que se deslocavam em uma região que se apresentava como o grande foco dos investimentos governamentais. Durante sua gestão, Prestes Maia incentivaria, a partir de dispositivos legais, a criação de espaços de fluidez e passagem nos térreos dos edifícios dispostos ao longo de vias específicas, incentivando assim a sociabilidade em um determinado espaço da cidade. Considerando os diversos aspectos de transformação urbana da cidade entre as décadas de 1930 e 1960, entre eles a abertura e alargamento de novas vias e a verticalização do Centro da cidade, o artigo buscará apresentar a íntima relação que se estabeleceu entre os novos hábitos culturais e os espaços onde estes se manifestam em meados do século XX na área central da cidade de São Paulo. A pesquisa parte da análise da legislação existente, da análise urbana e morfológica da área, além do levantamento e descrições dos percursos dos usuários , de projetos de arquitetura, filmes, registros literários que expõem um período de grande relevância na história da cidade de São Paulo.

 

Abstract

Between the 1940s and 1960s, there was a high and constant flow of people moving down in the Centro Novo of Sao Paulo, and creating unexpected and unusual encounters among different groups. In the new avenues and streets, built during the administration of Mayor Prestes Maia, or even in the ground floor of new skyscrapers that were part of the urban environment, new habits of modern life were exposed. Those spaces were legitimate places for debates and exchange, and also a space for the public that used to do diverse activities in the area: work, housing, leisure, and circulation. In bars, cafes, restaurants, bakeries, bookstores, libraries, first museums, or commercial galleries, it was possible to find known and unknown people who were moving in an area that was presented as the main focus of government investment. During the administration of Mayor Presets Maia, some legal devices encouraged the conception of flow spaces and passages in the ground floor of buildings located along specific avenues, thereby promoting sociability in a particular area of the city. Taking into account the various aspects of urban transformation of the city between the 1930s

and 1960s, including the opening and expansion of new routes and uprighting of downtown, this paper aims to present the intimate relationship established between the new cultural habits and the spaces where these habits become apparent during the mid- twentieth century in the central area of São Paulo. This research is based on literary records that expose a period of great importance in the history of the city of Sao Paulo, including the review of existing legislation, a morphological analysis of the urban area, survey and descriptions of routes of users, architectural designs, and films.